quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

A FÁBULA DA ÁGUIA E DA GALINHA


Esta é uma história que vem de um pequeno país da África Ocidental, Gana, narrada por um educador popular, James Aggrey, nos inícios deste século, quando se davam os embates pela descolonização. Que tal pensarmos a respeito?


Era uma vez um camponês que foi à floresta vizinha apanhar um pássaro, a fim de mantê-lo cativo em casa. Conseguiu pegar um filhote de águia.
Colocou-o no galinheiro junto às galinhas. Cresceu como uma galinha.
Depois de cinco anos, esse homem recebeu em sua casa a visita de um naturalista.
Enquanto passeavam pelo jardim, disse o naturalista:
- Esse pássaro aí não é uma galinha. É uma águia.
- De fato, disse o homem.- É uma águia. Mas eu a criei como galinha. Ela não é mais águia. É uma galinha como as outras.
- Não, retrucou o naturalista.- Ela é e será sempre uma águia. Este coração a fará um dia voar às alturas.
- Não, insistiu o camponês. Ela virou galinha e jamais voará como águia.
Então decidiram fazer uma prova. O naturalista tomou a águia, ergueu-a bem alto e, desafiando-a, disse:
- Já que você de fato é uma águia, já que você pertence ao céu e não à terra, então abra suas asas e voe!
A águia ficou sentada sobre o braço estendido do naturalista. Olhava distraidamente ao redor. Viu as galinhas lá embaixo, ciscando grãos. E pulou para junto delas.
O camponês comentou:
- Eu lhe disse, ela virou uma simples galinha!
- Não, tornou a insistir o naturalista. - Ela é uma águia. E uma águia sempre será uma águia. Vamos experimentar novamente amanhã.
No dia seguinte, o naturalista subiu com a águia no teto da casa.
Sussurrou-lhe:
- Águia, já que você é uma águia, abra suas asas e voe:
Mas, quando a águia viu lá embaixo as galinhas ciscando o chão, pulou e foi parar junto delas.
O camponês sorriu e voltou a carga:
- Eu havia lhe dito, ela virou galinha!
- Não, respondeu firmemente o naturalista. - Ela é águia e possui sempre um coração de águia. Vamos experimentar ainda uma última vez. Amanhã a farei voar.
No dia seguinte, o naturalista e o camponês levantaram bem cedo. Pegaram a águia, levaram-na para o alto de uma montanha. O sol estava nascendo e dourava os picos das montanhas. O naturalista ergueu a aguia para o alto e ordenou-lhe:
- Águia, já que você é uma águia, já que você pertence ao céu e não à terra, abra suas asas e voe! A águia olhou ao redor. Tremia, como se experimentasse nova vida. Mas não voou. Então, o naturalista segurou-a firmemente, bem na direção do sol, de sorte que seus olhos pudessem se encher de claridade e ganhar as dimensões do vasto horizonte.
Foi quando ela abriu suas potentes asas. Ergueu-se, soberana, sobre si mesma. E começou a voar, a voar para o alto e voar cada vez mais para o alto.
Voou. E nunca mais retornou.
Existem pessoas que nos fazem pensar como galinhas. E ainda até pensamos que somos efetivamente galinhas. Porém é preciso ser águia. Abrir as asas e voar. Voar como as águias. E jamais se contentar com os grãos que jogam aos pés para 
ciscar.


Maria Clara Melotto
&
Jeane Godoy

Terapeutas

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Trabalho e Descanso / Sucesso e Prosperidade

Trabalho e Descanso / Sucesso e Prosperidade



A falta de descanso pode lhe tornar medíocre.

Sim! E eu decidi escrever esse texto para mostrar para você a experiência real de um dos passos que considero essenciais para conquistar o caminho de sucesso e prosperidade. Essa prática é tão importante quanto ter o pensamento positivo, atitudes coerentes, vigor, confiança e integridade.

Mas acontece que eu demorei muitos anos para entender que sem a boa execução dessa prática, os meus resultados pessoais e coletivos sempre ficariam abaixo do esperado.

E o termo medíocre significa basicamente estar no meio, ou seja, resultados apenas medianos.


O fato é que se você me conhece já faz algum tempo, deve saber que eu não paro nunca. Eu realmente sou apaixonado pelo trabalho e amo tudo isso. Mas mesmo assim, acredite: você precisa encontrar momentos regulares de descanso.

Então o que fiz neste ano foi mesclar a forma de trabalhar criando ciclos de trabalho muito intensos com períodos de descanso e comemoração com a obtenção dos resultados.


E eu levei a sério tudo isso. Junto com minha equipe, desenvolvemos ao menos três grandes projetos, o executamos com perícia, dedicação e paixão. Mas ao término eu descansava por alguns dias... E descansava mesmo. Eu viajava, saia do meu psiquismo, saia das rotinas e fazia a minha mente oxigenar. E sabe o que aconteceu?

A cada descanso eu voltei com mais vontade ainda de dar o meu melhor e de me reinventar.

Com esse texto eu lhe digo: encontrei um momento de descanso real ao final de cada período de trabalho intenso.

 Você pode! Você tem criatividade! É só se desapegar de hábitos nocivos que não servem para nada e você conseguirá. Se você ficar 100% do tempo de olho no seu trabalho e nas suas tarefas, os resultados simplesmente não vem. Tome como exemplo a agricultura. O agricultor precisa preparar bem o solo, escolher e plantar bem a semente, depois regar de forma adequada. De nada adianta ele ficar de plantão na frente da semente para ver se ela germina mais rápido.

Então a minha dica é: aumente a sua intensidade para projetos de trabalho se assim for preciso, faça com mais qualidade e em menos tempo, depois tire uns dias de folga. Você tem diversas formas de conseguir negociar esses descansos, porque você terá sobre você a sombra boa do resultado conquistado. Então descanse mesmo, valorize a natureza, valorize a sua espiritualidade, os amigos, os animais de estimação. Não dê tanta atenção a TV e as coisas sintéticas. Se conecte mais com Deus...


Você vai ver os resultados gerais da sua vida ampliarem-se muito! Organize-se e faça acontecer. Você pode!

O descanso planejado, real, que descansa a mente é o caminho para benefícios inimagináveis.

Bruno J. Gimenes

Com Amor e Respeito
Jeane Godoy – (19) 9769-6175 e M Clara Melotto – (19) 9751-6760
“A Pressão Das  Mãos Faz Correr As Fontes Da Vida”
Espaço Tempo de Cura

Psicoterapias
Trance e Integral Therapist
Meditação Orientada e Estudos da Consciência


segunda-feira, 13 de janeiro de 2014




A paz em você
A palavra paz costuma estar nos discursos de todas as pessoas.
Seja o político influente, o religioso, a mãe de família, o patrão ou o empregado, todos afirmam desejar a paz.
Contudo, é comum a percepção de que a paz é algo que se produz no exterior e por obra de outros.
Deseja-se a paz à custa de atos alheios.
Se ela não se faz presente, entende-se que a culpa é de terceiros.
Culpa-se o governo pelos estrépitos das ruas.
Culpam-se os políticos pela cultura de desonestidade que prejudica a tranquilidade.
Sempre são os outros os responsáveis.
Entretanto, toda realização legítima e duradoura começa no indivíduo.
As ideias surgem nas mentes de alguns, alastram-se, convertem-se em atos e gradualmente tomam corpo no meio social.
Toda conquista positiva perfaz esse caminho para se converter de ideia de poucos em realidade de muitos.
Com a paz não pode ser diferente.
 genuína pacificação se opera no íntimo do ser.
O exterior tumultuado pode constituir um desafio à preservação da harmonia interior.
Ocorre que o silêncio do mundo não induz à paz interna.
Em geral, quem tem a consciência pesada busca se agitar bastante, a fim de não se deter na própria realidade.
Como algo interno, a paz legítima é uma construção pessoal e intransferível.
Ninguém se pacifica à custa do semelhante.
Um ser iluminado pode dar exemplos, conselhos e lições.
Contudo, pacificar-se é um processo de dignificação, que só o próprio interessado pode realizar.
Ele pressupõe a compreensão de que atos indignos sempre têm tristes consequências.
Ninguém adquire plenitude interior sem agir com dignidade e sem dominar seus pensamentos e sentimentos.
A entrega ao crepitar das paixões apenas complica a existência.
Os gozos mundanos são momentâneos, ao passo que a lembrança do que se fez dura bastante.
Não há como viver em paz e desfrutar de vantagens indevidas, prejudicar os semelhantes e fazer o que a consciência reprova.
O requisito básico da paz é a tranquilidade de consciência.
Para isso, é preciso tornar-se senhor da própria vontade.
Hábitos de longa data não somem em um repente.
Enquanto eles são dominados, a vontade precisa ser firme.
Para não viver torturado por desejos ilícitos, também se impõe deter o olhar no que de belo há no mundo.
Sem angústia, mas com a firme intenção de corrigir-se aos poucos, direcionar a própria atenção e o próprio querer para atividades dignas.
Devagar, surge o prazer de ser trabalhador, digno e bondoso.
Como resultado, faz-se a paz no íntimo do ser.
Pense nisso.

                                                         Autor Desconhecido

Uma semana de Paz verdadeira,

Maria Clara Melotto
&
Jeane Godoy

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014


PROMESSAS DE TRANSFORMAÇÃO


Novos ciclos nos levam a escolhas e transformações e isso nos trás trabalho e alegria de aprender, o que nos pede uma percepção diante da verdade.

Quando estamos sendo ativamente desonestos conosco e com os outros, não conseguimos nos lembrar de porque estamos aqui e o que temos para realizar, que lugar temos nesta vida, como podemos contribuir ou como encontrar equilíbrio em nossas vidas. A lembrança ocorre quando estamos dispostos a criar uma fé pessoal e viver por ela. Essa fé pessoal pode assumir a forma de promessas que fazemos a nós mesmos. Um exemplo de Fé Pessoal: “Tomarei conta de meu corpo, serei honesta comigo e com os outros, tratarei todas as coisas vivas com respeito, honrarei o direito de todos os seres humanos de serem indivíduos que tem seus próprios  Sagrados Pontos de Vista, seguirei minha fé e confiarei na orientação Divina do Criador, vou considerar todas as experiências de minha vida como lições que me ajudam a crescer e farei o melhor que puder sem comparar o meu caminho com o dos outros. ”Seguir esse simples exemplo exige, muita energia, foco e impecabilidade.


Quando seguimos uma fé pessoal, adquirimos uma nova compreensão de quando e como cometemos um erro, e como corrigi-lo. O processo da lembrança oferece-nos soluções. Porém se falhamos e quebramos uma promessa a nós mesmos, é importante nos perdoarmos e reconhecermos nossa humanidade. Aprendemos tudo na vida desenvolvendo habilidades, que não são aperfeiçoadas de um dia para o outro. Aprendemos ao entender o que funciona e o que não funciona. Dessa maneira, a humanidade aprende a usar o Poder Pessoal da escolha para aprender através do sofrimento e da alegria.


Quando curamos a nós mesmos,  lembramo –nos de partes de nossa Essência Espiritual que havíamos esquecido ao longo do caminho. Isso acontece por causa da iniciação, quer saibamos que estamos passando por elas ou não.  Algumas pessoas não sabem que escolheram esses caminhos de crescimento até que transformações trazidas pelas experiências alteram sua realidade, chamando a atenção para o AGORA . As mudanças na vida podem ser compreendidas por qualquer pessoa que reveja seu passado e reconheça onde está hoje em dia. Quanto mais presente e consciente uma pessoa se torna, mais óbvia é a verdade: A Vida é uma Iniciação. Cada escolha que fazemos conta, cada pensamento tece o padrão de nossa vida e cada situação influencia nosso possível crescimento ou estagnação.

Promessa, transformação e mudança ... um caminho de iniciação, de vida e evolução. Tudo que nos testa e nos faz mudar!


Com Amor e Respeito
Jeane Godoy – (19) 9769-6175 e M Clara Melotto – (19) 9751-6760
“A Pressão Das  Mãos Faz Correr As Fontes Da Vida”
Espaço Tempo de Cura

Psicoterapias
Trance e Integral Therapist
Meditação Orientada e Estudos da Consciência