quarta-feira, 29 de maio de 2013

Gayatri Mantra


GAYTRI MANTRA
 

Um dos mais poderosos mantram, detentor de grande respeito e considerado o mantra da iluminação, é o Gayatri, que é praticado regularmente no yoga e no tantra.
Na Índia conta-se que um jovem meditador chamado Manu buscava a iluminação. Ele fazia todas as práticas de yoga, mas não tinha o menor interesse em ler ou estudar os livros sagrados. Era perito em exercícios respiratórios, posições físicas, meditação e concentração, mas não gostava de ler, o que incomodava seus gurus.
Um dia, numa prática meditativa, Manu foi visitado pela deusa Indra, que já há muito observava as práticas do jovem. Indra disse a Manu:
— Suas práticas de yoga e sua busca pela iluminação me despertam a compaixão por ti e te ajudarei em tua busca. Pede-me o que desejares.
Manu, assombrado pela presença de Indra, fez-lhe uma reverência, inclinando-se, e disse:
— Permite-me conhecer todos os mistérios dos textos sagrados sem que eu os leia ou estude, pois minha natureza é a de praticante, e não a das teorias contidas nos livros.
Indra, perplexa, riu diante do pedido e disse a Manu que seria impossível:
— Manu, pede-me outro desejo, pois até hoje nenhum ser atingiu a iluminação sem antes estudar os textos sagrados. É como um homem que queira, jogando pedras sobre o mar, aterrá-lo. Isso é impossível como também é impossível conhecer os textos sem lê-los. Pede-me outra coisa, Manu.
Manu respondeu:
— Se é assim, nada desejo, pois somente a iluminação é a minha meta. Não me interesso por nenhuma riqueza ou honra deste mundo.
Indra, feliz por reconhecer a humildade do jovem Manu, recuou em suas convicções e disse-lhe:
— Manu, por tua pureza e busca sincera, dou-te um mantra que, praticado, permitirá que alcances a iluminação sem dominar os textos.
E Indra ensinou o Gayatri Mantra:

Om Bhúr Bhuva Swáhá
Tat Savitur Varenyam
Bhargo Devasya Dhimahi
Dhyo Yo Nah Prachodayat.

O Gayatri é, portanto, o Mantra da Iluminação, considerado por vários sábios o mais completo e poderoso que podemos praticar. Ele é total — atua desde os aspectos mais sutis do ser até a matéria.
Outro mito conta que numa reunião de vários sábios na Índia criou-se esse mantra, que é chamado de “Mãe dos Vedas”, pois ao praticá-lo adquire-se todo o conhecimento dos textos sagrados e se acumulam méritos — karma positivo. Em suas sílabas está contida toda a essência da mística e filosofia hindu, na qual destaco:
Jnaña Yoga – o conhecimento da sua eternidade e o abandono do impermanente;
Bhakti Yoga – devoção a todos os elementos da natureza, já que o Gayatri contém em suas sílabas elementos como fogo, ar, água, terra, homens, animais, sol, lua, estrelas etc;
Karma Yoga – que dá consciência de nossa interdependência com todos os seres vivos e nossa responsabilidade de deixarmos o planeta em paz.
 

Cada sílaba do Gayatri contém um significado místico:
Om – a mãe/o pai de toda a eternidade;
Bhúr – a mãe Terra, o planeta Terra, o plano físico;
Bhuva – o éter, a atmosfera, o plano astral;
Swáhá – o céu, os planos não-materiais celestes, conhecidos como angélicos ou devas;
Tat – “aquele”, nossa alma, a transcendência do ilusório e do triunfo;
Savitur – o poder da luz, o abstrato, a vida presente em tudo, a nutrição;
Varenyam – adoração por tudo;
Bhargo – a irradiação da consciência da vida, a eliminação dos maus karmas e o acúmulo de méritos;
Devasya – todos os seres, a nossa iluminação e a aceitação do que se é;
Dhimahi – meditação, domínio;
Dhyo – corpo, austeridade;
Yo – alma, consciência;
Nah – totalidade, criação;
Prachodayat – iluminação e compaixão.

O iluminado Krishna diz no Bhagavad Gita:
“Entre todos os sons e versos sagrados, eu sou o Gayatri”.
 
 

Significado
Bhúr, bhuva e swáhá são os três planos da existência. Na teoria védica das equivalências (bandhu), essa divisão tripartida do universo tem muitos níveis de significados. Refere-se aos três mundos: o infinitamente grande, o humano e o infinitamente pequeno; aos três gunas, ou às três qualidades da natureza: inércia, ação e equilíbrio (tamas, rajas e sattwa); ou ainda ao paralelo que existe entre as estruturas da consciência e da natureza. Ou seja, assim como é em cima, é também embaixo, o macrocosmo reflete o microcosmo. Savitur, o Sol, é o símbolo da consciência e ao mesmo tempo da kundalini. Faz-se o Gayatri Mantra para celebrar a existência e harmonizar-nos com o poder de transformação presente na natureza. Este mantra é um convite à contemplação da força que move o macrocosmo, o microcosmo e o homem.
Fonte: Otávio Leal
Amorosamente
Jeane Godoy – (19) 9769-6175 e M Clara Melotto – (19) 9751-6760
Trance e Integral Therapist
Meditação Orientada e Estudos da Consciência
Espaço Tempo de Cura
 


quarta-feira, 22 de maio de 2013


Os Remédios da vovó... Ao Microscópio !!!
                                                        



  Urtigas para as articulações
Antigamente usava-se a urtiga para tratar dores musculares e articulares.
Como?
Pondo a própria folha sobre a zona do corpo afetada.
E funciona?
À partida parece que esfregar urtigas nas pernas é o pior que alguém se poderia lembrar de fazer tendo em conta que são bem conhecidas por deixarem aflitos de comichão os incautos que nelas se rocem no campo.
Apesar disso, investigadores britânicos da Universidade de Plymouth conseguiram arranjar cobaias para esta pesquisa e concluíram que a rigidez associada ao reumatismo era significativamente diminuída com esta fricção.
Parece que em áreas sem dor os químicos da urtiga provocam dor intensa, mas em áreas doridas, têm o efeito inverso.
Os investigadores creem que isto acontece por bloqueio dos mecanismos que transmitem os sinais de dor.
A boa notícia é que tomar comprimidos ou chá de urtigas também podem ajudar.
 Alho para tratar verrugas
As verrugas resultam da presença de uma forma benigna do papilomavírus humano (HPV) na pele.
São relativamente comuns e pouco perigosas, apesar de contagiosas
Geralmente desaparecem espontaneamente ao fim de um ou dois anos mas tendo em conta que são bastante feias, é legítimo querermos ver-nos livres delas mais cedo.
A via médica consiste na sua eliminação através de cirurgia, laser, crioterapia ou outros métodos, mas há um remédio natural antigo que consiste em esfregar as verrugas com alho cru duas ou três vezes por dia.
Em duas semanas,  as verrugas diminuem visivelmente.
E funciona?
As virtudes antibacterianas e antivirais do alho são conhecidas. O alho produz um fitoquímico chamado alicina, poderoso antioxidante com capacidade de inibir a ação de alguns vírus como parece ser o caso do HPV associado às verrugas, e há, pelo menos, um estudo, publicado no International Journal of Dermatology, em 2005, a mencionar a eficácia do extrato de alho lipossolúvel sobre as verrugas.
No entanto, requer alguns cuidados:
Convém certificar-se de que o alho cru não contacta a pele em redor da verruga pois há risco de irritação.
O ideal é proteger a pele em redor da verruga  ou cobri-la com vaselina.
 Emplastro de couve para tratar entorses
Para ajudar a tratar a inflamação decorrente de entorses e contusões aplica-se normalmente gelo de imediato, mas  antigamente aplicava-se, durante a noite, um cataplasma de folhas de couve.
Há uma versão mais antiga, passam-se as folhas com o ferro de engomar (protegido por um pano fino) ou amolecem-se ao vapor, uma forma de facilitar a libertação das suas propriedades sobre a pele.
Aplica-se em contusões, cortes e feridas e também nas dores da artrite.
E funciona?
Apesar de não haver estudos específicos sobre as cataplasmas de couve, sabe-se que este vegetal, como outras crucíferas, além de muito rico em vitamina C e outros minerais, produz compostos derivados do enxofre, como o sulfurafano, um fitoquímico que tem sido alvo de dezenas de pesquisas pelas suas propriedades regenerativas, anti-inflamatórias e anticancerígenas.
 Cataplasma de argila verde para a garganta
É antigo o uso da argila verde como tratamento natural, sobretudo devido à sua grande capacidade de absorção de toxinas.
Para a dor de garganta aplica-se sobre a pele uma camada grossa de uma pasta de partes iguais de argila verde e água, deixando ficar durante a noite e repetindo as vezes necessárias.
O mesmo procedimento vale para as dores musculares e articulares.
E funciona?
A crer em várias pesquisas, a argila tem grandes capacidades de absorção de toxinas. Algumas variedades têm ainda propriedades antibacterianas assinaláveis. Um estudo publicado em 2008 na revista ‘Clays and Clay Minerals’, por exemplo, refere as propriedades terapêuticas da argila verde francesa, aplicada sobre o abdómen, na úlcera de Buruli, um tipo de úlcera causada por uma bactéria que provoca a necrose dos tecidos.
Outro estudo, publicado no ‘Journal of Animal Science’, em 2011, verificou que a ingestão de argila tinha um efeito positivo em porcos infetados com a bactéria E. Coli.
Canja de galinha para a constipação
À partida dir-se-ia que este era daqueles casos em que conta mais o conforto dado pela atenção de quem nos faz a canja, do que propriamente as propriedades deste caldo gorduroso com carne e massa ou arroz.
Mas a verdade é que a tradição popular da canja de galinha para ajudar na convalescença de gripes e constipações se mantém.
E funciona?
Parece que sim. Num estudo feito na clínica Monte Sinai, em Miami, em 2000, compararam-se os efeitos da canja, água quente e água fria sobre a constipação.
Veredicto:
A canja tinha um efeito descongestionante muito superior no que toca a dar cabo do muco nasal. A canja parece ter também a capacidade de conseguir abrandar a atividade de alguns glóbulos brancos que são os responsáveis pelos sintomas da constipação.
Pelo menos foi o que sugeriu outro estudo feito pela Universidade do Nebraska. Apesar de serem ainda pouco conclusivos, parece inegável que, no mínimo, a canja ajuda a hidratar o organismo e fornece proteínas que ajudam o corpo a restabelecer-se.
Sabia que...
A canja de galinha é conhecida como ‘a penicilina dos judeus’, porque já no século XII, o filósofo, médico judeu Maimónidas a prescrevia para a asma, alergias, gripes e constipações.
Semana de Harmonia e prosperidade,
 
Espaço Tempo de Cura
Maria Clara Melotto
19.97516760
&
Jeane Godoy
19. 97696175

terça-feira, 14 de maio de 2013

DESENVOLVENDO-SE NA VIDA


DESENVOLVENDO-SE NA VIDA.


“Todo ser tende a realizar o que existe nele, em germe a crescer, a completar-se”.

O núcleo central da psique, Carl Gustav Jung denominou de Self.
Para que se possa entender o sentido lato do conceito de Self, Centro Fundamentalmente Ordenador de Energias, Jung aponta uma direção; o autoconhecimento. É através da experiência vivida no cotidiano que o ser humano se conhece e chega a este centro. A via a percorrer se faz através do que ele chamou de Processo de Individuação, o caminho do conhecimento do si - mesmo.
 

O processo da vida se desenvolve com o tempo. A vida como um todo se realiza na medida em que cada um de nós procura se conhecer externa e internamente. O desenvolvimento da natureza física, do emocional e do espiritual se dá simultaneamente. O encontro com o Centro / Self pode ser visto como algo que nos transcende. Poderíamos dizer que é um encontro com a totalidade de nosso ser, com as camadas mais profundas do inconsciente.

“Todo ser tende a realizar o que existe nele, em germe a crescer, a completar-se. Assim é para a semente do vegetal e para o embrião do animal. Assim é para o homem, quanto ao corpo e quanto à psique”; palavras de Nise Magalhães da Silveira.

Impulsionado por forças inconscientes, o Ser Humano toma consciência de sua natureza. Cada um de nós na medida em que vivemos a vida fazemos livre escolhas e tomamos decisões. Tudo em nós é um convite ao desenvolvimento das potencialidades inatas.

Quanto mais conscientes somos de nossas potencialidades, mais claramente percebemos o caminho a percorrer. É um processo em contínua dinâmica, como um espiral em expansão.

O caminho para a realização do si-mesmo não é uma trajetória fácil. Muito pelo contrário, pode ser cheio de sacrifícios e dificuldades tão grandes que pensamos ser impossíveis de serem solucionadas. O processo de individuação é o processo de depuro de nossa própria existência que se revela a cada dia.

O Ser em sua completude é aquele que conseguiu aproximar e colocar em ordem os dois lados da natureza humana: Luz e Sombra, Masculina e Feminina. Aquele que realizou esta aproximação de energias é um ser que se aperfeiçoou, sem a pretensão de tornar-se perfeito.

A trajetória para a plena realização do autoconhecimento é sinalizada por Jung por etapas.
 

 A 1ª etapa é o Desvendamento da Máscara, é a falsa roupagem da persona que precisa ser retirada, é se assumir exatamente como se é.

A 2ª etapa é Encarar de Frente a Sombra, o lado escuro e sombrio que não gostamos, e menos ainda, de mostrar porque nos desagrada [a Sombra pode ser luminosa, é o outro lado da pessoa que por viver uma vida obscura não consegue enxergar ou Dar valor ao seu lado criativo e bom].

 A 3ª etapa é o Confronto com os Opostos, Anima [para o homem] e Animus [para a mulher . Com a integração desses dois lados o homem se torna mais flexível, mais sensível e sábio nas atitudes, e, a mulher mais harmoniosa nos afetos e intelectualmente com maior interesse pelo universo da cultura.

Somos um pouco o outro.

Vivendo a vida, as nossas relações interpessoais mudam. Projeções são feitas e desfeitas na medida em que vivemos. Percebemos que cada um de nós trás o seu quinhão, seu mistério. A vida pessoal é repleta de complexidades e de segredos. Com isso temos mais respeito pelas pessoas que nos cercam. Percebemos que cada um de nós é diferente.
              
 

Quanto mais nos conhecemos mais aceitamos os outros como eles são. Somos menos críticos e judicativos, mais humanos por conseqüência.
Sabemos com a árdua caminhada que aproximar da Fonte Ordenadora de Energias nada mais é do que Vivenciar a Experiência de que Deus vive em nós e nós vivemos nele.

É a experiência do Tao para os místicos da cultura Chinesa e do Brahma para os Hindus.
O Self não é apenas o Centro ordenador da Psique Pessoal, Ele é o Centro da Totalidade da Vida; o Alfa e o Ômega (Apoc. 2,13).

 Fonte: Francisco Ferraz
 


Amorosamente

Jeane Godoy - (19) 9769-6175 - M Clara Melotto - (19) 9751-6760
Trance e Integral Therapist -  Meditação Orientada e Estudos da Consciência.

Espaço Tempo de Cura
 


sexta-feira, 3 de maio de 2013

Diferença entre o Ego e Alma
 
Diferença do ego para a alma:
A base da alma está dentro, enquanto a base do ego, o referencial, está sempre fora.
 A alma vive em constante gratidão e o ego em eterna insatisfação.
 O ego nos estressa enquanto a alma nos harmoniza. 

 

 A alma é eterna e o ego passageiro.
 A alma é sempre plena e o ego é sempre carente.
A alma nos inspira e o ego nos empurra. A alma sempre apazigua e o ego perturba.
Ela se une a tudo, enquanto ele nos separa de tudo.
Ela sussurra, ele grita.
 A alma ama e o ego se apaixona.
 
 
 Ela nos liberta e ele nos aprisiona.
 Ela nos projeta para dentro e para o alto e ele nos leva para fora e para baixo.
 
 
 
Ela é pleno deleite, ele um animal carente.
                                                                                         Fonte:Horivaldo Gomes
Paz e Luz,
Maria Clara Melotto
19-97516760
&
Jeane Godoy
19-97696175